Políticas públicas para equidadde de gênero no mercado de trabalho no campo científico e tecnológico

  • Angela Kalckmann Romanó Sartor
  • Marília Gomes de Carvalho
Palabras clave: gênero, sustentabilidade da vida humana, igualdade

Resumen

A inclusão das mulheres no mercado de trabalho em geral, e no campo científico e tecnológico, deverá ser acompanhada de políticas públicas e estratégias que contemplem uma divisão mais justa e equitativa das tarefas domésticas/sustentabilidade da vida humana. Carrasco (2008) destaca que a busca da igualdade na divisão sexual do trabalho não deve ser limitada à igualdade no mundo masculino, mas sim carregada de uma profunda ruptura dos padrões estabelecidos, que ocultam e desclassificam as experiências das mulheres. O cuidado da vida humana tem sido enfrentado pelas mulheres, também de maneira desigual, dependendo da classe social a que pertencem. Aquelas com poder aquisitivo maior podem contratar empregados domésticos e comprar bens e serviços que facilitam a execução dessas tarefas. Já as mulheres das classes sociais mais baixas, que efetuam dupla jornada de trabalho, e que não contam com o apoio do Estado, por meio de vaga em creche, precisam dar conta e enfrentar estes desafios com menos recursos. Os dados deste artigo foram originalmente apresentados no Congresso Iberoamericano de Ciência Tecnologia Gênero em 2010, e fizeram parte da dissertação de mestrado ”Sustentabilidade da Vida Humana e as Possibilidades de Divisão Sexual do Trabalho Doméstico”. Esta parte da pesquisa focou a análise do significado da participação do Estado e das Organizações Empregadoras na responsabilidade da sustentabilidade da vida humana, mais especificamente das crianças em idade pré-escolar, através da disponibilidade de vagas em Centros de Educação Infantil, no município de Curitiba.
Publicado
2015-07-13
Sección
Artículos Disciplinarios